DeAmazônia

MENU
Atualizado em 02/08/2019

Ufam repudia ‘Future-se’ de Bolsonaro; universidades programam paralisação geral

Reitores dizem que programa ameaça ensino superior gratuito; protestos acontecerão no dia 13

Ufam repudia ‘Future-se’ de Bolsonaro; universidades programam paralisação geral Campus da Ufam, em Manaus (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O Conselho Universitário da Universidade Federal do Amazonas (Consuni/UFAM) rejeitou, por ampla maioria dos votos, nesta quinta-feira (1º/8), o programa "Future-se", proposto pelo MEC (Ministério da Educação), que quer alterar a forma de financiamento do ensino técnico e superior no país.  

 

O Consuni publicou Moção de Repúdio ao programa do Governo Federal e afirmou que "a proposta ataca os fundamentos da universidade pública no que tange à sua autonomia, garantida no artigo 207 da Constituição Federal".

 

O “Future-se” prevê alternativas de financiamento de universidades federais a partir de recursos privados. Reitores vem o programa como uma ameaça ao futuro do acesso gratuito ao ensino superior público. A previsão é que a proposta do governo federal seja enviada ao Congresso Nacional até 28 de agosto.

 

O Conselho quer que UFAM promova uma assembleia com a comunidade acadêmica para discutir a defesa do ensino gratuito e da instituição.

 

Durante a reunião foi decidido ainda o ato de paralisação, no dia 13 de agosto, em protesto a valorização da Educação, planejado por professores de universidades federais.

 

O Consuni é formado por mais de 60 membros, sendo eles diretores, professores, técnicos e estudantes dos Campi da Ufam de Manaus e do interior

 VEJA A NOTA DA UFAM

Sobe Catracas

RAFAEL BARBOSA, defensor público geral do Amazonas

Recebeu medalha Ruy Araújo, mais alta comenda da Aleam, e em agradecimento, nomeou o 18º defensor aprovado no concurso da DPE-AM

Desce Catracas

HAMILTON VILLAR, ex-prefeito do Careiro Castanho (AM)

Em menos de um mês, TCE-AM reprovou novamente as contas do ex-prefeito e condenou ele a devolver R$ 3,7 milhões