DeAmazônia

MENU
Atualizado em 30/07/2019

CARLOS SANTIAGO #A ira de Deus e dos homens

CARLOS SANTIAGO #A ira de Deus e dos homens  Carlos Santiago

“Amanheci em cólera. Não, não, o mundo não me agrada. A maioria das pessoas estão mortas e não sabem, ou estão vivas com charlatanismo (sic)”, diz a crônica da escritora Clarice Lispector. Quando li esse parágrafo não entendi, fiquei analisando o sentido, o simbolismo, os aspectos sintáticos e semânticos. A compreensão era complexa. Formulei algumas hipóteses, tentei fazer uma relação tanto com textos dela como com os de outros autores, mas na minha mente sempre a mesma imagem: Clarice um enigma, Clarice um espectro. Na minha concepção, vida e literatura formam uma única estrutura, uma relação simbiótica na qual uma é a seiva da outra.

 

Reiniciei minha leitura, mas não de forma abrupta. Foi um recomeço lento, gradual, aproveitando as paisagens do caminho, parando aqui e ali para descansar e refletir. Questionando muitas vezes qual a relação entre o título da crônica “DIES IRAE" e o texto escrito. Pausei a leitura e fui pesquisar o que era Dies Irae. Encontrei. Dia da ira, era um antigo hino latino do século XIII, cuja autoria é dada a Tomás de Celano, biógrafo de São Francisco de Assis. A letra conta que no dia do Juízo Final, os justos serão salvos e os pecadores enviados ao inferno. Clarice está irada, mas seus escritos não se reportam a fatos metafísicos ou bíblicos, sua cólera é contra os fatos mundanos.

 

Caminhemos com Clarice: o amor em vez de dar, exige; mentir dá remorso, mas não mentir é um dom que não merecemos; morremos e vivemos sem explicação; não soubemos fazer um mundo onde viver, e não sabemos na nossa paralisia como viver. Essa contraposição de ideias e sentimentos tirou-me o fôlego e transportou-me para o seio de um redemoinho de incertezas. A sinestesia das palavras e imagens me fez ir de uma semiparalisia para uma imobilização completa e silenciosa. Há uma radicalidade na compreensão e na experiência de contemplação do mundo. A fascinação e o paradoxismo da realidade demonstram uma inteligibilidade quase insuportável, na qual não há um porto seguro. Deveras, quando estamos irados, há uma diluição das certezas, se é que elas existem.

 

Como todos nós, o eu clariciano vive um turbilhão de emoções e perspectivas, encontra-se perdido, buscando um ponto de apoio entre o divino e o real. Nessa hora, a incerteza pregada no texto também me invade. Solto o livro, contemplo o horizonte e fico pensando se a cólera e a tristeza da personagem são sentimentos da chamada pós-modernidade. Repito em silêncio: tudo que é sólido se desmancha no ar. Outras questões me invadem: quem sou eu? O que procuro? Por que sinto um vazio, solidão? Sentindo-me extensão de Clarice, sorrio e tento imaginar se todas as pessoas não são uma espécie de pêndulo entre Perto do Coração Selvagem e a Hora da estrela. Desisto, seria muita pretensão.

 

Indago-me se há uma ponte entre os escritos de Clarice Lispector e a teoria de Zigmunt Balman sobre a sociedade líquida. Penso na palavra “crise”. Naquela temos as crises intersubjetivas e de identidade, a conexão de opositores: eu/outro, civilização/natureza, linguagem/silêncio, certeza/incerteza, divino/real, amor/ódio. Neste, há uma crise das ideologias, dos partidos, da razão, do conceito de comunidade. A liquidez dessas “certezas" faz emergir um sujeito individualista e consumista desenfreado. Parei. Tentei imaginar Clarice Lispector no País da Liquidez, um livro que talvez pudesse...

 

Não consegui terminar o pensamento, pois, alguém me informava que um governante dizia não haver fome no Brasil; que a devastação da Amazônia é uma grande mentira e que tinha planos de mandar o seu filho fritador de hambúrguer para ser diplomata nos Estados Unidos da América - EUA. Senti a cólera e a tristeza invadirem o meu corpo, mas não me senti semiparalítico ou paralítico, embora esteja desejando que a ira de Deus (ou dos homens) consuma a todos.

*O autor é sociólogo, Analista Político e Advogado.

Sobe Catracas

PASTORA LEAL, presidente do TRT/8ª Região

Desembargadora foi homenageada na sede do TST, em Brasília, com medalha da Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho

Desce Catracas

JARDEL VASCONCELOS, prefeito de Monte Alegre (PA)

Conselho de Ética e Transparência Administrativa Municipal (Copetramma) protocolou pedido de cassação dele na Câmara por suposta fraude em licitação