DeAmazônia

MENU
Atualizado em 23/07/2019

Procon-AM realiza fiscalização em Iranduba por falta de energia

Órgão vai apurar os prejuízos causados ao consumidor

Procon-AM realiza fiscalização em Iranduba por falta de energia Gestor do Procon-AM, Jalil Fraxe. Foto: divulgação

DEAMAZÔNIA IRANDUBA, AM - Devido à falta de energia elétrica no município de Iranduba (distante 27 quilômetros de Manaus) desde a última sexta-feira (19/07), o Programa Estadual de Proteção e Orientação ao Consumidor (Procon-AM) vai realizar, nesta terça-feira (23/07), uma ação fiscalizatória na localidade para apurar os prejuízos causados ao consumidor.

 

A diligência foi confirmada após reunião com a direção da Amazonas Energia nesta segunda-feira (22/07), ocasião em que o Procon-AM cobrou providências urgentes para o restabelecimento do serviço de energia na região, que também inclui o município vizinho de Manacapuru, além de realizar atendimentos preferenciais ou exclusivos para os consumidores da cidade.

 

“Recebemos dezenas de reclamações sobre a falta de luz, e os prejuízos causados não foram apenas ao consumidor, mas também aos comerciantes. Temos relatos de pessoas que precisaram se deslocar para Manaus para poder sacar dinheiro, porque os caixas eletrônicos não funcionam; alimentos estão estragando, e o comércio em geral parou, o que atinge diretamente o consumidor”, destaca o gestor do Procon-AM, Jalil Fraxe.

 

Segundo a Amazonas Energia, a interrupção se deve a falhas em um cabo subaquático submerso a uma profundidade de 50 metros no rio Negro, próximo à Ponte Jornalista Phelippe Daou (Ponte Rio Negro). “Vamos percorrer a cidade e registrar oficialmente os problemas que os consumidores estão passando em Iranduba. Afinal, toda uma cadeia consumerista está sendo prejudicada”, explica Fraxe.

Sobe Catracas

PASTORA LEAL, presidente do TRT/8ª Região

Desembargadora foi homenageada na sede do TST, em Brasília, com medalha da Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho

Desce Catracas

JARDEL VASCONCELOS, prefeito de Monte Alegre (PA)

Conselho de Ética e Transparência Administrativa Municipal (Copetramma) protocolou pedido de cassação dele na Câmara por suposta fraude em licitação