DeAmazônia

MENU
Atualizado em 19/07/2019

Helder não quer reforma da Previdência paralela no Senado

Governador do Pará vai mandar preparar Reforma da Previdência estadual e encaminhar a ALE/PA

Helder não quer reforma da Previdência paralela no Senado Governador do Pará, Helder Barbalho

 

DEAMAZÔNIA BELÉM, PA - Os governadores do Pará, Helder Barbalho (MDB) e do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), respectivamente criticaram nesta quinta-feira (18/07) a apresentação de uma PEC ( Projeto de Emenda à Constituição) paralela, para reincluir estados e municípios na reforma da Previdência.

 

Os dois governadores participam esta semana em Washington de um curso voltado para lideranças políticas sobre gestão pública. A informação é da Folha de São Paulo. 

 

Incrédulos de que essa PEC paralela não irá ser aprovada, porque deputados e senadores vão evitar desgastes por causa das próximas eleições, Helder Barbalho e Eduardo Leite disseram que já preparam uma proposta com novas regras para servidores estaduais, a serem encaminhadas às assembleias legislativa no mês de agosto.

 

Os governadores já instruíram sua equipe a elaborar propostas com regras para servidores estaduais que devem ser enviadas às assembleias legislativas no meio de agosto, caso fique claro que os senadores não vão alterar o que chegou da Câmara na semana passada, diz a reportagem da Folha.

 

“Eu confesso que, na minha opinião, e é uma opinião que faço particularmente pelo meu estado, se for para o caminho de uma nova PEC, nós passamos a trabalhar com o cenário de encaminhar para a Assembleia Legislativa e não esperar mais. O deadline é a primeira quinzena de agosto para saber efetivamente o que vai acontecer, não dá para ficar nesse limbo”, afirmou o governador do Pará.

 

A nova proposta vai para a Câmara, mas sem comprometer a PEC da Reforma da Previdência, que seguiria sem mudanças no Senado. 

 

Ainda de acordo com a Folha, para os dois ‘governadores é muito difícil que um texto somente sobre estados e municípios seja aprovado à parte, já que a eleição municipal se aproxima –o tema é eleitoralmente impopular– e há outras agendas para os parlamentares tratarem daqui para frente’.

 

“Essa PEC paralela vai tratar apenas do ponto da divergência [incluir ou não estados e municípios na reforma]. É difícil vê-la prosperar se não houver fatos novos, uma vez que ela vai se deter apenas sobre o ponto que já foi divergência. Dificilmente terá agilidade. E mais, pode gerar até uma imobilização dos estados. Porque você fica na expectativa: vai ter? Não vai ter? Vai aprovar? Não vai? Faço algo ou não faço? A melhor resposta depois de um ‘sim’ é um ‘não’ rápido. Não dá para ficar empurrando”, disse Leite.

Sobe Catracas

DELISSA VIEIRALVES FERREIRA, promotora de Justiça

Ação Civil Pública, em conjunto com a promotora Nilda Silva, derrubou na Justiça decisão da Seduc de militarizar Escola Tiradentes, em Manaus

Desce Catracas

RAYLAN BARROSO, prefeito de Eirunepé

Foi cobrado pelo MPF para fazer processo seletivo, pagar funcionários indigenas e regularizar merenda escolar