DeAmazônia

MENU
Atualizado em 17/07/2019

Manaus é escolhida para integrar projeto internacional sobre tratamento da malária

Projeto-piloto também está sendo implantado em outros países e Manaus foi a capital brasileira selecionada para participar das ações

Manaus é escolhida para integrar projeto internacional sobre tratamento da malária profissionais de saúde estão recebendo capacitação para a implementação do projeto. Foto: divulgação

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - A Prefeitura de Manaus, em parceria com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e Ministério da Saúde, iniciou na manhã desta segunda-feira, 15/7, a capacitação de profissionais de saúde para a implementação do projeto de Fortalecimento da Farmacovigilância e Adesão Terapêutica ao Tratamento Antimalárico na Região das Américas.

 

A gerente de Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), enfermeira Alinne Antolini, explica que o projeto consiste em uma cooperação internacional que tem como objetivo a implantação de um sistema de farmacovigilância ativa das reações adversas dos medicamentos usados no tratamento da malária.

 

Segundo a gerente, é um projeto-piloto que também está sendo implantado em outros países e Manaus foi a capital brasileira selecionada para participar da implementação das ações.

 

“Atualmente, quando o paciente apresenta reação adversa a um medicamento no tratamento da malária, é feito um acompanhamento médico. Mas, o Brasil, assim como outros países das Américas, não tem a rotina de notificação das reações adversas dos medicamentos utilizados no controle da malária, ou seja, não há informação sobre o tema de forma sistematizada. A partir da conclusão do projeto, a perspectiva é que os governos tenham informações mais concretas para estabelecer políticas públicas que possam fortalecer a segurança dos medicamentos e também melhorar a adesão ao tratamento contra a malária”, informou Alinne Antolini.

 

Para a implementação do projeto em Manaus, a Semsa irá capacitar todos os profissionais envolvidos na notificação, diagnóstico, dispensação de medicação e tratamento da malária nos Distritos de Saúde (Disas) Norte, Sul, Leste, Oeste e Rural, incluindo chefes de endemias, agentes de endemias, microscopistas e chefes de farmácia, envolvendo ainda profissionais da rede estadual de saúde.

 

“A capacitação é uma estratégia para que todos os profissionais recebam as informações necessárias do processo que está sendo iniciado no município. Após essa fase, o projeto começará a ser executado junto aos pacientes”, explicou Alinne Antolini.

Metodologia

A primeira capacitação aconteceu nesta segunda-feira, 15/7, no auditório do Complexo de Saúde Oeste, bairro da Paz, direcionada para os profissionais do Disa Oeste. A capacitação dos profissionais dos Disas Norte, Sul e Rural será no dia 22 de julho. No dia 31 de julho, acontecerá a capacitação da equipe do Disa Leste.

 

A consultora da Opas e Organização Mundial da Saúde (OMS Brasil), bióloga Sheila Rodrigues Rodovalho, esclarece que capacitação também é uma das etapas de preparação dos profissionais para a aplicação do estudo que será feito, de acordo com a metodologia do projeto, para melhorar a comunicação entre os pacientes que tomam remédios para o tratamento da malária e os serviços de saúde.

 

“O número de notificações de eventos adversos aos medicamentos antimaláricos é muito baixo e o projeto vai estimular para que mesmo uma dor de cabeça, coceira ou sintomas de anemia hemolítica sejam notificados. A outra questão do projeto é a adesão ao tratamento e para isso foram confeccionados envelopes que serão entregues aos pacientes indicando os medicamentos e os dias que devem ser administrados, assim como os efeitos adversos que podem surgir. Se houver registro de efeitos adversos, o paciente poderá informar por telefone. Os dados serão analisados para a melhoria dos serviços de saúde e do tratamento contra malária”, afirmou Sheila Rodrigues, informando que a previsão é que a execução do projeto tenha início no mês de setembro.

 

O projeto também está sendo aplicado no Peru, Colômbia, Honduras e Equador. “No Brasil, Manaus foi selecionada para o projeto por causa da estrutura que já existe na rede municipal no combate à malária, com apoio da Fundação de Vigilância em Saúde e da Fundação de Medicina Tropical, além do histórico do município em relação a outros projetos e o próprio engajamento dos agentes de endemias que atuam no controle da doença no município”, destacou a consultora.

 

Sobe Catracas

ENNIO CANDOTTI, diretor do Museu da Amazônia (Musa)

Professor receberá nesta quarta (21), na Aleam, o Título de Cidadão do Amazonas

Desce Catracas

RODRIGO TOBIAS, secretário de Saúde do AM

Serviço de aerotaxí com UTI móvel para transportar doentes do interior para Manaus não funciona, com implantação do sistema via internet