DeAmazônia

MENU
Atualizado em 11/07/2019

Barragem rompe, atinge povoado e ameaça mais duas cidades na Bahia

Autoridades emitiram alerta para moradores deixarem as cidades vizinhas a barragem de água

Barragem rompe, atinge povoado e ameaça mais duas cidades na Bahia Barragem em Pedro Alexandre, Bahia, se rompeu após fortes chuvass

DEAMAZÔNIA SALVADOR, BA - Uma barragem de água se rompeu, nesta quinta-feira (11), em um povoado de Pedro Alexandre, município no Nordeste da Bahia, a 435 quilômetros da capital Salvador. Fortes chuvas na região contribuíram para o rompimento da estrutura, de acordo com informação da Defesa Civil Estadual. Não há informações de feridos. As informação são do G1 Bahia.

 

O rompimento ocorreu por volta das 11 no distrito de Quati. Segundo a Defesa Civil houve o galgamento, que é quando o volume de água supera a altura da barragem do Quati. Ou seja uma espécie de transbordamento. 

 

Carla Leão, coordenadora da Defesa Civil informou que algumas casas do povoado foram invadidas pela lama. Segundo a coordenadora moradores deixaram as residências antes do rompimento total.  

 

A lama pode atingir ainda as cidades de Pedro Alexandre e Coronel João de Sá, a 450 quilômetros de Salvador, no interior da Bahia. As duas cidades, na divisa com Sergipe, têm aproximadamente 35 mil moradores, estão em estado de alerta.

 

Segundo a Defesa Civil, uma parte da Barragem rompeu no topo e há outras rachaduras da estrutura que ainda podem ceder.

 

Por meio das redes sociais, o prefeito de Coronel João de Sá, Carlos Augusto Silveira Sobral (MDB), pediu para os moradores saírem de suas casas e salvar o que for possível, pois "não sabe ainda das consequências, porque nunca passamos por ela".

 

Escolas do município e e as quadras esportivas já estão disponíveis para receber os moradores, conforme Sobral.

 

 

Sobe Catracas

ANDRÉ CARIA, advogado

Foi nomeado para compor a Comissão de Análise dos processos do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB/AM, triênio 2019/2021

Desce Catracas

HAMILTON VILLAR, ex-prefeito do Careiro Castanho (AM)

Em menos de um mês, TCE-AM reprovou novamente as contas do ex-prefeito e condenou ele a devolver R$ 3,7 milhões