DeAmazônia

MENU
Atualizado em 10/07/2019

Pressão da bancada faz Guedes suspender portaria contra setor de Informática

Medida comprometeria 5 milhões de empregos no país

Pressão da bancada faz Guedes suspender portaria contra setor de Informática Omar Aziz, preside Comissão de Assuntos Econômicos

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Após pressão da bancada do Amazonas, o ministro da Econômia,  Paulo Guedes decidiu nesta quarta-feira (10/07), suspender os efeitos da Portaria 319, editada em 24 de junho, que reduz impostos de produtos importados para bens de capital e de informática e telecomunicações que não tenham produção nacional.

 

A informação é do senador Omar Aziz (PSD) que preside a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), no Congresso.

 

Senadores e deputados do Amazonas reagiram fulminantemente contra a medida, e aprovaram, inclusive, a convocação de Guedes para dar explicações na próxima reunião da CAE. Os deputados Sidney leite (PSD) e José Ricardo (PT) entraram na terça mesmo com projeto de Decreto Legislativo para sustar os efeitos da Portaria 319 do Ministério da Economia.

 

Omar Aziz alertou que a medida era um novo ataque a Zona franca de Manaus e a industrial nacional. ' Não adianta melhorar a economia brasileira se não gerarmos empregos. Temos mais de 14 milhões de pessoas desempregadas", afirmou. 

 brg

 

O senador Eduardo Braga (MDB0 disse que ainda que  medida colocaria em risco a manutenção de 5 milhões de empregos gerados direta e indiretamente pelo setor. Mais de 15 mil destes empregos estão no Amazonas. "Essa obra foi coletiva. Trata-se de uma conquista do Senado para garantir e ampliar os postos de trabalho no Brasil", acentuou.  

 

Como na CAE, o tempo poderia fechar para Paulo Guedes ele desistiu de insistir com a Portaria e revogou nesta quarta

Sobe Catracas

MÁRIO DE MELLO, conselheiro do TCE/AM

Foi eleito, por unanimidade, novo presidente do Tribunal de Contas do AM, para o biênio 2020-2021, e toma posse em dezembro 

Desce Catracas

HENRIQUE COSTA, prefeito de Juruti (PA)

Moradores cobram água potável e asfalto nas ruas e questionam investimentos de royaltes da Alcoa