DeAmazônia

MENU
Atualizado em 04/07/2019

Setor primário no Amazonas é ameaçado por falta de insumos, diz Sinésio Campos

Deputado visitou instalações do Terminal Graneleiros e as industrias do Grupo AMAGGI em Itacoatiara, após denuncia de vereadores e trabalhadores rurais

Setor primário no Amazonas é ameaçado por falta de insumos, diz Sinésio Campos  Deputado realizou a visita após denuncia de vereadores e trabalhadores da produção rural do município de Itacoatiara.(Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - De autoria do deputado estadual Sinésio Campos (PT), ocorreu nesta quarta- feira (03), na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), uma Audiência Pública que debateu sobre a utilização do farelo, casca de soja, milho e fertilizante em atividades agropecuárias no Estado do Amazonas.

 

Vereadores e trabalhadores da produção rural do município de Itacoatiara, procuraram o deputado Sinésio solicitando ajuda e alegando a recusa do grupo AMAGGI, uma empresa que trabalha com a produção agrícola de soja, milho e algodão contendo um terminal graneleiro situado no Município de Itacoatiara, na venda de farelo e da casca de soja para os produtores rurais de Itacoatiara e do Amazonas.

 

A demanda culminou na visita técnica do deputado e órgãos competentes do setor primário as instalações do Terminal Graneleiros e as industrias do Grupo AMAGGI em Itacoatiara, na segunda- feira (01). Apesar de o deputado e todos os órgãos in loco terem convidado representantes da empresa para participarem da Audiência Pública com o desígnio de prestarem informações aos produtores, nenhum representante da empresa se fez presente.

 

Ao iniciar a Audiência o parlamentar leu um ofício enviado ao e-mail da Comissão de Geodiversidade, Recursos Hídricos, Minas, Gás, Energia e Saneamento na qual Sinésio preside na Assembleia Legislativa, relatando a ausência de representantes do grupo AMMAGI na presente reunião.

 

Em seu pronunciamento Sinésio falou que há entreves da oferta e da procura, em razão do preço da ração que segundo ele é um fator limitante na estrutura dos custos de produção. “De um lado, esse polo produtivo enfrenta severo comprometimento em sua capacidade de crescimento devido à pequena produção de soja e milho em nosso Estado e na outra vertente o alto custo dos insumos básicos, quais sejam, o milho e o farelo de soja, que são importados do Estado do Mato Grosso. Não podemos esquecer que neste cenário, existe uma demanda reprimida de 20 mil pequenos criadores Amazonenses, por milho, soja e rejeitos do processamento da soja, insumos básicos de fundamental importância, como componentes da ração na alimentação desses animais, no qual os produtos e subprodutos são movimentados no terminal graneleiro do Grupo AMAGGI. Desta forma, entendemos que a empresa deve urgente dialogar e buscar de alguma formar esclarecer os reais motivos de não vender os insumos aos nossos produtores”, explicou Sinésio.  

 

Uma Comissão Especial foi criada com a participação de representantes de entidades e órgãos liderada pela ALEAM, Governo do Estado, Associações, Cooperativas e empresários do setor primário, interessados a formular uma proposta junto ao Grupo AMAGGI na comercialização, via terminal graneleiro de Itacoatiara, dos insumos, com destaque para o milho (120 mil toneladas/ano), a casca de soja (20 mil toneladas/ano), farelo de Soja (50 mil toneladas/ano), o caroço de algodão, cuim de arroz e fertilizantes, que são matérias primas básicas essenciais para atividade criatória da pecuária e piscicultura no Amazonas.

 

Uma “Carta Aberta à Sociedade Amazonense” também foi escrita de forma conjunta pelos órgãos presentes na Audiência Pública requerendo em parte do seu teor, que o Grupo AMAGGI comercialize os seus produtos para o mercado amazonense com preços competitivos, considerando os incentivos fiscais estaduais amparados pela Lei.

 

“A criação da Comissão Especial e a Carta Aberta vem para dialogar com o grupo AMAGGI e buscar alternativas de desenvolvimento econômico aos produtores e criadores do Estado do Amazonas que necessitam da venda desses insumos que potencializam a cadeia produtiva do setor. Está longe de acabar a cobrança ao grupo AMAGGI na venda desses insumos essenciais para as atividades criatória da pecuária e piscicultura Amazonense. Não vamos admitir o setor primário do Amazonas ser ameaçado por falta de insumos que existem em sua própria casa”, falou o deputado. 

 

Participaram da Audiência Pública representantes da Secretaria de Estado de Produção de Rural- SEPROR, Secretária de Estado de Planejamento, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação – SEPLANCTI, Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas – IDAM, Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, Secretaria de Estado da Fazenda – SEFAZ, Ordem dos Advogados do Amazonas OAB - AM, Federação da Agricultura e Pecuária do Amazonas - FAEA, Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas – IPAAM, Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis – IBAMA, Companhia Nacional de Abastecimento – CONAB, Câmaras Municipais e Prefeituras Municipais. 

Sobe Catracas

VANESSA ALFAIA, cantora amazonense

Ganhou prêmio de Intérprete Revelação, no Festival de Toada de Parintins 2019, com canção 'Tupinambarana'

Desce Catracas

HENRIQUE COSTA, prefeito de Juruti (PA)

Moradores cobram água potável e asfalto nas ruas e questionam investimentos de royaltes da Alcoa