DeAmazônia

MENU
Atualizado em 04/07/2019

Ornello Reis contesta que tenha ocorrido 'vaias' contra ele no Bumbódromo

Ex apresentador enviou pedido de Direito de Reposta

Ornello Reis contesta que tenha ocorrido 'vaias' contra ele no Bumbódromo Ornello Reis, ex apresentador do boi Caprichoso

DEAMAZÔNIA PARINTINS, AM - O ex-apresentador do boi Caprichoso, Ornello Reis, encaminhou pedido de Direito de Resposta, sobre matéria intitulada ‘Ornelo Reis é vaiado pela torcida do Caprichoso’.

 

O ex-apresentador contesta que tenha ocorrido vaias contra ele e ataca o jornalista e o site.

 

VEJA A NOTA, na íntegra

Resposta ao portal "DeAmazônia", do dito jornalista Jonas Santos.


Caro Jonas Santos, caso esteja "cego" diante do calor do festival de Parintins, ou regredindo para o amadorismo em seu portal, permita-me refrescar uma coisa em sua memória: um dos critérios básicos para a execução do bom e imparcial jornalismo, é a apuração dos fatos; fazer distinção do que é verdade ou mentira. E é exatamente isso que o seu portal deixou de fazer, e perdeu o que lhe restava de credibilidade.

 

Diante da mentirosa e caluniosa matéria publicada de forma IRRESPONSÁVEL a meu respeito, manifesto aqui a minha mais profunda indignação e repúdio.


O portal DeAmazônia, publicou matéria no dia 29/06, afirmando que eu, na condição de animador de galera do Boi Caprichoso, teria recebido vaias da minha própria galera no bumbódromo, na primeira noite do festival.

 

Vários torcedores de Caprichoso e Garantido foram consultados, e absolutamente NINGUÉM disse ter ouvido as vaias afirmadas pelo portal DeAmazônia.


A matéria é leviana, e se agrava ainda mais por ser oriunda de um jornalista que sempre prezou pela verdade.
Meu respeito ao jornalista Jonas Santos e seu portal, tem fim aqui.


Vale salientar que o jornalista foi procurado logo após a publicação da matéria mentirosa, sendo solicitado um vídeo que comprovasse as vaias destinadas a mim no bumbódromo, segundo o texto. O que não foi atendido! Não houve apresentação de prova!

 

A preferência pessoal de Jonas Santos pelo Boi Garantido, não pode ser evidenciada dessa forma irresponsável, manchando o bom e imparcial jornalismo parintinense. Exijo respeito para comigo e a galera do Caprichoso que sempre tratou, não só os seus artistas com respeito, como também os artistas do Garantido com respeito. Respeite o trabalho competente dos artistas que entram na arena do bumbódromo para dar sua contribuição ao festival de Parintins! Respeite as galeras de Garantido e Caprichoso, que sempre souberam distinguir os momentos certos para a rivalidade sadia! Nos respeite, portal DeAmazônia!


Ornello Reis

__________

NOTA DA REDAÇÃO

O ex-apresentador do boi Caprichoso, Ornello Reis, está equivocado. O Portal DeAMAZÔNIA não tem cor preferencial por boi-bumbá. A bandeira do site é difundir a cultura amazonense, brasileira. Este ano, por exemplo, a fim de valorizar, ainda mais, artistas, cantores e divulgar a cultura parintinense, país a fora, lançamos o ‘Programa CONTRÁRIOS’, com transmissões semanais, ao vivo nas redes sociais, com a participação de vários nomes e personalidades que contribuem com o Festival de Parintins.

 

A reação de torcedores, no Bumbódromo, sobre o tema referente ao ex-apresentador foi registrado por vários sites que cobriam a apresentação do Festival de Parintins. Ou seja, não é exclusivo do deAMAZÔNIA. VEJA AO FINAL DESTA NOTA. 

 

Ornello Reis é um jovem artista talentoso, mas lhe falta disciplina e humildade, que é a chave do sucesso em uma carreira profissional. Aliás, disciplina e humildade é uma característica peculiar, muito própria, que encontramos em Israel Paulain e em Edmundo Oran, atuais apresentadores de sucesso dos bois Garantido e Caprichoso, respectivamente.

A REDAÇÃO. 

 ORNORNELS

ORND

Tags:

Sobe Catracas

DELISSA VIEIRALVES FERREIRA, promotora de Justiça

Ação Civil Pública, em conjunto com a promotora Nilda Silva, derrubou na Justiça decisão da Seduc de militarizar Escola Tiradentes, em Manaus

Desce Catracas

RAYLAN BARROSO, prefeito de Eirunepé

Foi cobrado pelo MPF para fazer processo seletivo, pagar funcionários indigenas e regularizar merenda escolar