Segunda, 10 de agosto de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 22/06/2019

1ª Feijoada do Garantido, em prol dos Kaçawerés, acontece neste domingo (23)

Feijoada ocorre na Cidade Garantido, em Parintins, com a presença dos itens oficiais

1ª Feijoada do Garantido, em prol dos Kaçawerés, acontece neste domingo (23) Os Kaçawerés são os trabalhadores responsáveis pelo traslado das estruturas do Boi Garantido. Foto: Arnoldo Santos/divulgação

DEAMAZÔNIA PARINTINS, AM - Quando a primeira alegoria do Boi Garantido entrar na arena do Bumbódromo, na noite do dia 28 de junho, iniciando o 54º Festival Folclórico de Parintins, o público assistirá um espetáculo que começou a ser montado cerca de sete dias antes por uma legião de legítimos operários da arte: os Kaçawerés. Responsáveis desde o traslado das estruturas cênicas dos galpões até a montagem durante o espetáculo, eles iniciam o trabalho propriamente dito, no próximo sábado (22) com o encaminhamento das alegorias para o Bumbódromo. E para valorizar o valioso trabalho dos Kaçawerés, o Boi Garantido realiza, neste domingo (23), a partir das 12h, a 1ª Feijoada do Kaçawerés.

 

O evento será na Cidade Garantido, em Parintins, com a participação confirmada de todos os itens oficiais do Boi da Baixa, Batucada, banda oficial e uma maratona das melhores vozes encarnadas: Sebastião Júnior, Israel Paulain, Edilson Santana, Patrick Araújo, Irsen Rocha, MBlack Marialva, Bruno Costa, Patrick Modesto, Alder Oliveira, Enéas Dias e Gaspar Medeiros.

 

O kit completo está sendo vendido pelo preço de R$ 40,00 com direito ao copo estilizado e à feijoada. Quem preferir pode obter, separadamente, a camisa por R$ 30, a feijoada por R$ 15 e o ingresso da festa apenas por R$ 10.

 

Transporte das alegorias começa no sábado


Marcada pela Comissão de Artes para começar no sábado (22), a saída das alegorias do Garantido em direção à área de concentração é uma “operação de guerra”. O batalhão de Kaçawerés deverá começar com 120 trabalhadores contratados. A ida das estruturas mobiliza também caminhões, empilhadeiras e até guindastes. Durante os sete dias seguintes, até a sexta-feira, primeiro dia do festival, o trabalho começa de manhã e vai até o início da noite.

 

Para os três dias de festival mais 60 homens são contratados para reforçar o trabalho de montagem das alegorias dentro da arena do Bumbódromo. No seu auge, o batalhão de Kaçawerés atingirá a marca de 180 guerreiros, todos trabalhando devidamente equipados com uniformes, capacete, luvas, botas e acessórios de trabalho em altura. 

 

A seleção dos trabalhadores é feita mediante um exame médico para avaliar a capacidade física do candidato. Todos os homens passam pela avaliação de uma equipe médica, contratada pelo Garantido exclusivamente para o trabalho. 
Valdenor Cardoso, coordenador do Kaçawerés, avalia que este evento é um grande reconhecimento ao trabalho que essas dezenas de operários da arte e folclore realizam todos os anos, suando a camisa encarnada. “Eles trabalham muito, mas se divertindo também do jeito deles. Todos também são torcedores fanáticos pelo nosso garrote”, conclui. 
Informações sobre o evento podem ser obtidas pelo telefone (92) 99183.9139.

Sobe Catracas

MARCIA PERALES, presidente da FAPEAM

600 projetos de pesquisa e inovação de professores de Manaus e interior do Estado foram aprovados, com aumento de 22% relacionados a 2019

Desce Catracas

JOSUÉ NETO, presidente da ALE/AM

Após repercussão negativa de boicote ao governo, teve que recuar, pedir trégua e destravar pautas