DeAmazônia

MENU
Atualizado em 17/06/2019

15 vereadores de Coari investigados pelo MP/AM por 'bolão do mensalinho'

Denuncia envolve prefeito de pagar propina a todos os vereadores da Câmara de Coari; Adail Filho nega

15 vereadores de Coari investigados pelo MP/AM por 'bolão do mensalinho' Vereadores de Coari são investigados por mensalinho do prefeito

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O Ministério Público do Amazonas (MP/AM) abriu inquérito para investigar todos os 15 vereadores da Câmara Municipal de Coari (a 370 quilômetros de Manaus/AM), por recebimento de suposto ‘ mensalinho’ do prefeito Adail Pinheiro Filho (PP-AM).

 

A investigação foi aberta após a divulgação de um vídeo, onde vereadores aparecem sorteando, entre si, R$ 50 mil em espécie, que teria origem de corrupção. A gravação foi divulgada no dia 14, sexta-feira, em matéria do Jornal da Globo e que também a TV Amazonas divulgou. VEJA O VÍDEO NO FINAL DA MATÉRIA.

    

A gravação do “bolão do mensalinho”, como o caso ficou conhecido em Coari, é de 2017, mas segundo informações acontecia com frequência e eram filmados pelos próprios parlamentares. Conforme a denúncia, cada vereador recebia R$ 10 mil, por mês.

 

Segundo o MPAM, pelo menos oito vereadores participaram do sorteio, porém, os 15 recebiam a mesada da Prefeitura. O caso veio à tona, quando quatro vereadores romperam com o prefeito Adail Filho, e levaram o caso à Promotoria de Justiça.

 

A denuncia chegou ao MP por meio dos vereadores Ademoque Filho (PSDC), Samuel Castro (PSL), Ewerton Medeiros (DEM) e Aldervan Cordovil (PTB). Após essas denuncias os vereadores da base do prefeito cassaram os mandatos deles.  

Segundo a denúncia, o dinheiro era pago pelo prefeito para que os parlamentares fizessem ‘tudo que seu mestre mandar’, como disse o vereador Ewerton Medeiros (DEM-AM). Um jeito de “controlar” a Casa, em favor do Executivo Municipal.

 

Ainda conforme a denúncia, o presidente da Câmara, Keitton Pinheiro (PTB-AM), primo do prefeito, tinha ligação direta com o esquema. Keitton é o atual ‘vice-prefeito’ uma vez que a Mayara Pinheiro, irmã de Adailzinho, que era a vice, foi eleita deputada estadual.

 

“Proveniência da mão do prefeito [o dinheiro do mensalinho], que passa ao presidente da Casa, Keitton Pinheiro, primo dele, e daí ele escolhe um ou ele mesmo faz a distribuição para os demais”, disse o vereador Aldervan Cordovil (PTB-AM).

 

Keitton, no entanto, negou as acusações, por meio de assessoria e disse que “há uma tentativa para afastá-lo do cargo”.

 

PREFEITO NEGA

O prefeito de Coari, Adail Filho, por meio de nota, afirmou que todo dinheiro repassado ao Legislativo é de origem legal e negou o ‘mensalinho’.

 

"Nunca houve nenhum tipo de repasse ilegal para a Câmara ou para qualquer um dos vereadores. Os recursos do executivo, que são repassados ao legislativo, são todos declarados e podem ser encontrados no Portal da Transparência dos Municípios", diz trecho.

 

O prefeito de Coari disse ainda que não interfere de nenhuma forma nas decisões tomadas pela Câmara Municipal.

 

O vereador Carlinhos do Bem (PSB-AM), que aparece em um dos vídeos, negou que o bolão usava dinheiro de corrupção. Segundo ele, a quantia tratava-se de uma ‘arrecadação’ para ajudar o vereador Aldervan Cordovil (PTB), que passava por dificuldades financeiras.

 

O parlamentar afirmou ainda que o grupo decidiu manter os sorteios até que todos fossem contemplados.

 

Cordovil, porém, negou a versão. "Isso não é verdade. É uma justificativa mentirosa, tirada da cabeça dele unicamente", disse.

 

POSICIONAMENTO DO MP-AM

Os promotores apreenderam o vídeo do bolão e já ouviram todos os envolvidos. Os 15 vereadores estão sendo investigados, inclusive os que denunciaram o esquema, segundo a procuradora geral de Justiça Leda Albuquerque.

 

"Nós estamos aprofundando essa investigação. Não tenha dúvida de que o vídeo nos traz elementos que são importantes de convencimento para algum eventual posicionamento do Ministério Público no futuro", explicou Albuquerque.

Sobe Catracas

JOSÉ LIBERATO, subtenente do Corpo de Bombeiros no AM

Militar amazonense conquistou medalha de ouro no campeonato Brasileiro de Remo Olímpico no Rio de Janeiro 

Desce Catracas

MAXWEEL BRANDÃO, ex-prefeito de Placas (PA)

Justiça Federal multou ele em R$ 50 mil pela sonegação de informações ao MPF e o condenou pelo extravio de documentos públicos