DeAmazônia

MENU
Atualizado em 10/06/2019

Neymar será ouvido pela Polícia em SP sobre suposto estupro

A data do comparecimento do atacante à 6ª Delegacia da Mulher, ainda não está definida

Neymar será ouvido pela Polícia em SP sobre suposto estupro Neymar deve ser ouvido ainda esta semana (Fernando Frazão/Agência Brasil)

APolícia Civil pretende ouvir o depoimento de Neymar nesta semana, em São Paulo, no inquérito policial que investiga acusação de estupro registrada pela modelo Najila Trindade. O crime teria acontecido no dia 15 de maio, em Paris.

 

 

A data do comparecimento do atacante à 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, na zona de sul de São Paulo, ainda não está definida, mas a Polícia descarta que o atacante seja ouvido por meio de carta precatória, ou seja, à distância. O depoimento será presencial. Para isso, a polícia já prepara um esquema especial de segurança, provavelmente isolando algumas ruas de acesso à delegacia.

 

Nesta segunda-feira, a modelo deverá fazer a entrega de seu aparelho celular à delegada Juliana Bussacos, conforme compromisso estabelecido no depoimento prestado na última sexta-feira. O acessório é considerado peça fundamental no esclarecimento da acusação.

 

Najila ainda não apresentou outro item importante para as investigações: o vídeo que registra o segundo encontro entre a modelo e Neymar na capital francesa. Segundo ela, a peça comprovaria as agressões do primeiro encontro. Até agora, foram revelados apenas 66 segundos do vídeo - nele, Najila agride Neymar, que tenta se defender.

 

A modelo afirmou que o vídeo estava em um tablet que foi furtado durante um suposto arrombamento de seu apartamento na semana passada. A polícia foi até o local, mas encontrou apenas impressões digitais da própria Nadija e da funcionária responsável pela limpeza. // ESTADÃO CONTEÚDO

Sobe Catracas

WILSON LIMA, governador do Amazonas

Anunciou que deixará a estrutura da saúde do Festival, pela primeira vez, para ficar em Parintins 

Desce Catracas

JARDEL VASCONCELOS, prefeito de Monte Alegre (PA)

Em nova ação, Justiça condenou ele a perda dos direitos políticos por três anos por suposta fraude em verba federal