DeAmazônia

MENU
Atualizado em 07/06/2019

MPF investiga Solange Almeida e Xand Avião por homicídio e tráfico de drogas

Artistas e empresários são investigados por homicídio, tráfico internacional de drogas, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e ameaças

MPF investiga Solange Almeida e Xand Avião por homicídio e tráfico de drogas Sócios de banda afirmaram que investigação foi arquivada por falta de provas

O Ministério Público Federal (MPF), por meio da procuradoria regional da República, emitiu uma decisão que dá continuidade a um procedimento investigatório criminal que envolve os cantores Solange Almeida e Xand Avião. Eles estão sendo investigados por tráfico internacional de drogas, lavagem de dinheiro, ameaças, formação de quadrilha e homicídios.

 

Além dos artistas, o procedimento investigatório envolve também Antonio Isaias Paiva Duarte, Zequinha Aristides Pereira, Carlos Aristides de Almeida Pereira e Francisco Claudio de Melo Lima, sócios da empresa A3 entretenimentos.

 

"O arquivamento do presente inquérito é prematuro, com a devida vênia à Procuradora da República oficiante", diz um trecho do documento.

 

O processo teve origem em 2014. Em nota, sócios da banda afirmaram que já foi arquivado. 

 

O site de 'O Povo Online' entrou em contato com a Justiça Federal, Ministério Público Federal e Polícia Federal. O poder judiciário, ao contrário do que afirmou a assessoria de imprensa da Aviões do Forró, respondeu que existe uma investigação em curso na PF para apurar as denúncias feitas pelo suposto ex-sócio da banda. A investigação foi anexada ao processo 0006024-46.2015.4.05.8100. O MPF e a PF ainda não responderam às indagações encaminhadas por e-mail.

Fonte: Correio 24hrs

Sobe Catracas

CLOVIS CORUBÃO, prefeito de São Gabriel da Cachoeira (AM)

Com 40 mil habitantes e 23 etnias indígenas, que são mais vulneréveis a gripe, cidade não têm nenhum caso suspeito do novo Coronavírus

Desce Catracas

CHICO ALFAIA, prefeito de Óbidos (PA)

Justiça determinou o bloqueio de R$ 100 mil, em bens do prefeito, por desvio de recursos do ICMS Verde repassados pelo estado, em 2017 e 2018