DeAmazônia

MENU
Atualizado em 06/06/2019

Dono da Havan deve inaugurar pelo menos oito lojas no Amazonas e Pará

Luciano Hang aparece em vídeo prometendo quatro lojas em Manaus; no Pará, empresas serão em Belém e Santarém

Dono da Havan deve inaugurar pelo menos oito lojas no Amazonas e Pará Dono da Havan, Luciano Hang (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - As Lojas de Departamento Havan, do empresário Luciano Hang, deve instalar pelo menos oito polos da empresa no Amazonas e Pará, ainda este ano. Em vídeo, que circula nas redes sociais, o dono da Havan aparece prometendo pelo menos quatro lojas em Manaus (AM), que irão gerar de 800 a 1 mil empregos. (Assista ao final da matéria)

 

“Eu acho que cabe umas quatro mega lojas para empregar umas 800 a mil pessoas nessa cidade, vender produtos lindos e baratos, para completar todo esse país com muitas lojas”, comentou Hang.

 

Já no Pará, devem ser instaladas três lojas em Belém, capital paraense, e uma loja em Santarém, oeste do estado, onde a empresa pretende investir aproximadamente R$ 40 milhões, em um espaço de 15 mil metros quadrados. Luciano Hang esteve em Belém, em fevereiro deste ano, para alinhar o que deverá ser feito.

 

A primeira loja da rede Havan do oeste do Pará deverá surgir na Avenida São Sebastião com Travessa Turiano Meira onde funcionava um antigo estádio de futebol da cidade.

 

Em uma postagem recente no seu perfil do Instagram, o empresário Luciano Hang, afirma que pretende construir mais 75 megalojas pelo país até 2022.

 

Hang  ficou conhecido após apoiar o presidente Jair Bolsonaro (PSL), durante a campanha das eleições 2018.

 

Criada em 1986, em Santa Catarina, a loja Havan, que vende Eletrodomésticos, Eletrônicos e Decoração, está presente em 17 estados, com 125 lojas físicas.

 VEJA VÍDEO

Vídeo reprodução Acrítica

Sobe Catracas

WILSON LIMA, governador do Amazonas

Anunciou que deixará a estrutura da saúde do Festival, pela primeira vez, para ficar em Parintins 

Desce Catracas

JARDEL VASCONCELOS, prefeito de Monte Alegre (PA)

Em nova ação, Justiça condenou ele a perda dos direitos políticos por três anos por suposta fraude em verba federal