DeAmazônia

MENU
Atualizado em 22/05/2019

TJAM reforça divulgação do Disque 100, canal para denuncia de assédio infantil

Serviço funciona 24 horas, com discagem gratuita, que pode ser feita de qualquer lugar do País

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) aderiu à campanha de divulgação e apoio ao “Disque 100”, serviço mantido pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos e por meio do qual é possível fazer denúncias de violações dos direitos das crianças e adolescentes, principalmente, de casos de abuso e exploração sexual infantojuvenil. 



As ações de apoio ao Disque 100 estão sendo realizadas pelo Comitê Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes, integrando a campanha permanente“Faça Bonito. Proteja nossas Crianças e Adolescentes”. 



Em um vídeo produzido pela equipe de audiovisual da Divisão de Divulgação do TJAM, a juíza titular da 2ª Vara Especializada em Crimes contra a Dignidade Sexual de Crianças e Adolescentes da Comarca de Manaus, Articlina Oliveira Guimarães, fala da importância do Disque 100 como um dos canais para fazer denúncias de situações de casos de abuso e exploração de menores. Está sendo divulgado nas redes sociais do TJAM e também pode ser conferido no site [ https://www.facabonito.org.br/ | https://www.facabonito.org.br/ ] , reforçando a manifestação de outras instituições integrantes da rede de proteção à criança e ao adolescente. 

 


O Disque 100 funciona diariamente, 24 horas por dia, incluindo sábados, domingos e feriados. As ligações podem ser feitas de todo o Brasil por meio de discagem gratuita, de qualquer terminal telefônico fixo ou móvel (celular), bastando discar o número 100. 


Números 

Segundo dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, divulgados na semana passada pela Agência Brasil de notícias, e levantados por meio do Disque 100, dentre as denúncias recebidas em 2018 por este canal, mais de 17 mil foram de violência sexual envolvendo crianças e adolescentes. Destas, 13,4 mil foram de abuso sexual e 3,6 mil de exploração sexual. 



O abuso abrange violações de cunho sexual com meninos e meninas. Já o termo exploração é usado quando essa prática envolve algum ganho financeiro por parte do autor.