DeAmazônia

MENU
Atualizado em 21/05/2019

STF suspende decisão do TJAM e autoriza processo contra prefeito de Iranduba (AM)

Chico Doido (DEM) é acusado de não repassar mais de R$ 4,2 milhões recolhidos dos salários de servidores à Previdência

STF suspende decisão do TJAM e autoriza processo contra prefeito de Iranduba (AM) Chico Doido, prefeito de Iranduba (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA IRANDUBA, AM - O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, suspendeu decisão do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) que exigia quórum de 2/3 (dois terços) para recebimento de denúncia contra prefeito de Iranduba (AM), Chico Doido (DEM). Segundo Toffoli, a exigência gera ameaça de grave lesão à ordem pública.

 

O prefeito é acusado de não repassar mais de R$ 4,2 milhões recolhidos dos salários de servidores ao órgão de previdência municipal. A Câmara Municipal decidiu, por maioria simples, instalar comissão para processar o prefeito. Inconformado, Chico Doido recorreu à Justiça alegando que para se instalada a comissão, seria necessário o quórum de dois terços.

 

O desembargador Airton Gentil acolheu os argumentos do prefeito e anulou a portaria que pretende cassar o político. Segundo o desembargador, seria necessário o quórum qualificado de 2/3 para recebimento da denúncia contra o prefeito, o mesmo exigido para o processo de cassação de governador do estado e presidente da República, e não o quórum de maioria simples previsto no artigo 5º, inciso II, do Decreto-Lei 201/1967 (que dispõe sobre a responsabilidade dos prefeitos e vereadores).

 

No Supremo, a Mesa Diretora da Câmara Municipal alegou que ao declarar a não recepção do dispositivo do Decreto-Lei 201/1967 pela Constituição Federal, o desembargador do TJ-AM impediu o regular exercício das funções constitucionais do Legislativo municipal, em ofensa à ordem pública jurídico-administrativa. A defesa da Mesa da Câmara foi feita pelo advogado Lucca Fernandes Albuquerque, do Bandeira de Melo e Barbirato Advogados.

 

Ao acolher o pedido da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Iranduba, o ministro Toffoli afirmou que a manutenção da decisão proferida pelo desembargador do TJ-AM gera ameaça de grave lesão à ordem pública, na medida em que impede o exercício das prerrogativas da Câmara Municipal, em especial a possibilidade de instaurar processo de cassação de prefeito, nos termos delineados pelo Decreto-Lei 201/1967.

 

O presidente do STF acrescentou que a norma do artigo 86 da Constituição Federal — que exige o quórum de 2/3 da Câmara dos Deputados para o recebimento de denúncia contra o presidente da República — não é de reprodução obrigatória, mas sim de aplicabilidade restrita ao chefe do Poder Executivo Federal.

 

A defesa da Mesa da Câmara Municipal foi feita pelo advogado Lucca Fernandes Albuquerque, do escritório Bandeira de Melo e Barbirato Advogados. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Sobe Catracas

CAROLINE BRAZ, secretária de Direitos Humanos do AM

Pela primeira vez, Amazonas aderiu a campanha nacional "Não é Não", contra o assédio, com ações por todo o estado no Carnaval 2020

Desce Catracas

VILSON GONÇALVES, prefeito de Aveiro (PA)

Virou alvo da Justiça em processo criminal acusado de recolher ICMS de mercadoria para exportação sem comprovar para Sefa saída do produto