DeAmazônia

MENU
Atualizado em 18/05/2019

Sem avançar reforma, Bolsonaro ataca Congresso e Omar cobra explicações do presidente

Com apoio de líderes, senador, que preside CAE, pediu que Bolsonaro "dê nome aos bois' sobre críticas

Sem avançar reforma, Bolsonaro ataca Congresso e Omar cobra explicações do presidente Senador Omar Aziz

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O senador Omar Aziz (PSD) voltou a endurecer o tom contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e pediu que ele 'dê nome aos bois' sobre as críticas feitas ao Congresso Nacional. Aziz preside a Comissão de Assuntos Econômicos da Casa (CAE). A informação é do site O Antagonista.

 

Bolsonaro passou a atacar o Congresso depois de os parlamentares reagirem ao modelo econômico do governo e também por não conseguir avançar com a reforma da Previdência, que retira o direito dos trabalhadores.

 

De acordo com Omar, as críticas de Bolsonaro e a forma como está lidando com o Congresso “é muito grave”. 

 

“Ele tem que dar nomes aos bois, dizer quem está querendo fazer conchavo, quais partidos estão querendo ‘toma lá, dá cá’. Ele vai ter que dizer, sim, sob o risco de prevaricar. É preciso ter responsabilidade com o que se fala”, disse o senador.

 

Pela primeira vez um presidente tem a oportunidade de governar o país sem indicação política. Porém, especialistas afirmam que Bolsonaro perdeu o 'momentos mágico' do país e a economia poderá entrar em recessão.


Ainda conforme a matéria de o Antagonista, Omar Aziz afirmou que seu partido não faz parte do governo, nem aceitaria fazer.

 

Nesta-feira (21/5), no Plenário do Senado, com o apoio das lideranças partidárias, Omar apresentará requerimento direcionado aos ministros Onyx Lorenzoni, da Casa Civil e Santos Cruz, da Secretaria de Governo, pedindo explicações de Bolsonaro. O requerimento não pode ser encaminhado direto ao presidente. 

Sobe Catracas

WILSON LIMA, governador do Amazonas

Anunciou que deixará a estrutura da saúde do Festival, pela primeira vez, para ficar em Parintins 

Desce Catracas

JARDEL VASCONCELOS, prefeito de Monte Alegre (PA)

Em nova ação, Justiça condenou ele a perda dos direitos políticos por três anos por suposta fraude em verba federal