DeAmazônia

MENU
Atualizado em 16/05/2019

Flávio Bolsonaro comprou 19 imóveis por R$ 9 milhões, afirma MP

Senador se defendeu no Twitter, negando qualquer irregularidade em relação ao seu patrimônio

Flávio Bolsonaro comprou 19 imóveis por R$ 9 milhões, afirma MP Senador Flávio Bolsonaro. Foto: Wilson Dias / Agência Brasil

 

 

No pedido para quebra de sigilo bancário do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) afirmou haver indícios de que o filho do presidente da República praticou lavagem de dinheiro por meio de transações imobiliárias e de uma organização criminosa instalada em seu gabinete na Assembleia Legislativa (Alerj).

 

De acordo com a revista Veja, os promotores constataram que entre 2010 e 2017, enquanto deputado estadual, Flávio lucrou R$ 3,089 milhões com os negócios, tendo investido R$ 9,425 milhões na compra de 19 imóveis.

 

O pedido do Ministério Público foi autorizado no dia 24 de abril e mantido em sigilo até esta semana. A medida se estende não só a Flávio Bolsonaro: inclui o seu ex-assessor Fabrício Queiroz, outros 88 ex-funcionários do gabinete na Alerj, bem como familiares e empresas de todos os implicados.

 

“Na presente investigação, pelos elementos de provas colhidos já é possível vislumbrar indícios da existência de uma organização criminosa com alto grau de permanência e estabilidade, formada desde o ano de 2007 por dezenas de integrantes do gabinete do ex-deputado estadual Flávio Nantes Bolsonaro e outros assessores nomeados pelo parlamentar para outros cargos na Alerj, destinada à prática de crimes de peculato, cuja pena máxima supera quatro anos”, descreve o MP, segundo o jornal O Globo.

Quebra de sigilo


Na lista de ex-funcionários de Flávio que terão o sigilo quebrado, constam Danielle Nóbrega e Raimunda Magalhães, irmã e mãe do ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, apontado pelo MPRJ como miliciano e um dos líderes do Escritório do Crime, organização suspeita de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSol), executada em março de 2018.

 

Foragido, o ex-policial é acusado de participação em vários homicídios, registrados em 10 anos. Adriano já foi homenageado por Flávio na Alerj.

 

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou que outros servidores do gabinete de Flávio repassaram parte dos salários a Queiroz, na maioria das vezes em datas próximas ao pagamento na assembleia.

 

A suspeita do MPRJ é de que o ex-assessor recolhia o dinheiro para si próprio ou para entregar ao então deputado estadual, hoje senador. Em depoimento à força-tarefa do caso, Queiroz disse que “gerenciava” o salário dos colegas. Ambos negam as acusações.

 

Também tiveram os sigilos afastados três empresários norte-americanos: Glenn Howard Dillard, Paul Daniel Maitino e Charles Anthony Eldering. Eles são donos de duas empresas ligadas ao ramo imobiliário, a Linear Enterprises, com sede no Andaraí, Zona Norte do Rio de Janeiro, e a Realest, localizada no Centro da capital fluminense.

 

Outro lado
O senador se defendeu no Twitter, negando qualquer irregularidade em relação ao seu patrimônio.

 

 

Sobe Catracas

ADRIANE GISELE SÁ, professora da rede municipal de Santarém (PA)

Vencedora do Prêmios 'Professores do Brasil' vai ao Canadá, representar o Pará em evento com demais ganhadores 

Desce Catracas

IVON RATES, prefeito de Envira/AM

Prefeito recebeu R$ 14 milhões do Estado para asfaltar ruas, não realizou obras e Justiça determinou pavimentação imediata