DeAmazônia

MENU
Atualizado em 15/05/2019

Prefeito Arthur Neto propõe ‘Plano Real dos Juros’ na economia

Prefeito de Manaus propôs mesma estratégia de FHC com o Plano Real, mas desta vez para combater a recessão que ameaça o país

Prefeito Arthur Neto propõe ‘Plano Real dos Juros’ na economia Prefeito de Manaus, Arthur Neto

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), propôs em novo artigo publicado na sua página do Facebook que o Brasil faça um “Plano Real dos Juros” para combater a recessão que se avizinha no País em 2019. Na avaliação do prefeito, o atual governo deveria esquecer o discurso vazio e empregar as mesmas estratégias do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e seus técnicos para combater a inflação, só que, desta vez, direcionadas a combater os altos juros praticados no mercado brasileiro.

 

 “Precisamos esquecer o discurso vazio, esmiuçar o tema como meta prioritária de governo, ir às causas verdadeiras da diferença abissal entre as taxas básicas e aquelas praticadas na ponta do consumo. Constatar, para valer, o que se precisará fazer para que a taxa básica, a Selic, fique um dia no máximo 10 pontos acima dos juros de mercado”, afirmou Arthur Neto.

 

De acordo com o prefeito de Manaus, o país caminha para uma recessão técnica e isso já é perceptível com os resultados econômicos apresentados no primeiro trimestre, que registraram queda do Produto Interno Bruto (PIB) e dos mais recentes prognósticos que apontam um crescimento da economia menor que 1,5% no fim do ano, bem distante dos 3,5% ou 4% projetados no início do atual governo. E, se o desempenho da economia se repetir no atual trimestre – abril a junho –, o Brasil estará diante de uma recessão técnica.

 

Em sua análise, Virgílio apontou as dificuldades que o país enfrenta para fazer suas reformas essenciais, a primeira delas, a da Previdência. “O Brasil está desarticulado politicamente e esse fato somente contribui para atrasar a Reforma da Previdência”, disse. Ele analisou, ainda, que o Congresso Nacional deverá aprovar a Reforma da Previdência poupando alguns segmentos de trabalhadores, e isso dará ao Tesouro entre R$ 700 bilhões e R$ 800 bilhões no período de 10 anos, muito abaixo dos R$ 1,8 trilhão previsto inicialmente pelo ministro Paulo Guedes para igual período. “Pode não ser o ideal, mas poupará sacrifícios aos trabalhadores rurais, pescadores e outros segmentos igualmente desprivilegiados e, ao mesmo tempo, garantirá certa folga fiscal e o retorno dos superávits primários”, completou Arthur.

 

No entanto, o prefeito Arthur Neto considerou que os mesmos congressistas que aprovarão a Reforma da Previdência com cortes, aprovarão créditos suplementares ao governo federal. “Hoje, o quadro é crítico e existe o perigo concreto de não poderem pagar os beneficiários do BPC e do Bolsa Família, por exemplo, daí minha crença de que os congressistas, que declaram insistentemente seu compromisso em proteger os mais pobres, certamente aprovarão o pedido que lhes faz o ministro Guedes por um crédito suplementar que faça face a essas exigências”, defendeu.

 

Áreas prioritárias

Para evitar a recessão, o Brasil precisa voltar a crescer a partir do segundo semestre deste ano, conforme apontou o prefeito em sua publicação, reforçando que isso só se dará se a reforma previdenciária for realizada e, junto a essa, sejam adotadas outras medidas de austeridade, como o corte nos contratos com empreiteiras e fornecedores, poupando os setores estratégicos e essenciais como educação, saúde e pesquisa.

 

Arthur cita, especificamente, o caso do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) que poderá fechar as portas caso o contingenciamento anunciado pelo governo federal realmente ocorra. “Contingenciamento inteligente não deve ser linear e bitolado. Setores não estratégicos podem ser sacrificados. Já saúde, educação, ciência, merecem tratamento diferente e sensível”, advertiu.

 

O prefeito analisou que, com a economia anêmica, conjugada com inflação baixa, há espaço seguro para o rebaixamento nas taxas básicas de juros. “Seria uma tentativa a mais de se enfrentar a ameaça, bem clara, de nova recessão”, disse, reforçando que está na hora de tratar a questão dos juros como o governo FHC, um “Plano Real dos Juros”.

Fotos – Mário Oliveira / Semcom

Sobe Catracas

UÁLAME MACHADO, secretário de Segurança Pública do Pará

Polícia desvendou em cinco dias chacina ocorrida em Belém, no domingo (19), que resultou na morte de 11 pessoas

Desce Catracas

AFRÂNIO PEREIRA JUNIOR, major da PM aposentado

Secretário de Articulação Política do prefeito de Manacapuru, Beto D'Ângelo, agrediu com socos e chutes, moradores que protestavam por ruas esburacadas