DeAmazônia

MENU
Atualizado em 07/05/2019

CARLOS SANTIAGO #Amor de mãe

CARLOS SANTIAGO #Amor de mãe

Na escuridão escuto ruídos, cânticos entoados por sentimentos alegres e ternos. Um forte cheiro que me traz euforia, vento no corpo, barulhos repetidos, balanços contínuos, muitas vozes... uma sensação jamais vivida.

 

De repente, a luz! Vejo imagens, vejo bocas, encontro rostos, roupas coloridas, muitas mulheres, muita maternidade, nada de paternidade e muitas crianças diferentes de mim. Uma boca encosta os seus lábios carinhosos e deixa o meu corpo ainda mais aquecido. A dona da boca tem um sorriso cativante, cabelos ralos e negros, pele branca, braços fortes, é uma mulher com altura que não se dobra para embalar redes.

 

As palavras dela eram sempre dirigidas ao menino com um tom amoroso, com saudações do dia, com músicas que ajudavam na alimentação da alma e do corpo. Também havia a repreenda ao pequeno pela maneira que se comportava no fundo da velha rede, na hora de receber a comida, no momento da refeição. Era uma mistura de sentimentos divinos de mãe e de sobrevivência do filho.

 

A casa era de madeira e com grandes janelas.  A palha a cobria toda, deixando o sol entrar pelas suas pequenas imperfeições, o que a tornava ainda mais agradável. As brechas nas paredes de madeira não escondia qualquer segredo da vizinhança, mas isso pouco importava, pois quando a noite chegava e o fogo das lamparinas tornava-se o centro das atenções das crianças, tudo era alegria.

 

Na rede, de frente pra janela, o menino se deparava com um quintal de enormes árvores e muitos frutos que serviam como alimentos, em dias difíceis. A luta pela comida era uma missão de vida. As árvores abrigavam pássaros que todos os dias externavam suas alegrias com sons agradáveis; as cigarras anunciavam a sua morte e a chegada de um novo tempo, uma nova estação, tarefa das jovens cigarras, o som delas dava continuidade ao som da vida.

 

Para além do terreno, havia casebres, moradias insalubres e ruas esburacadas que escorria água com mau cheiro e muito mato. Lá, o andar era substituído pelo pular. Todos faziam esse mesmo movimento como se fosse uma brincadeira de criança. A área era de uma antiga lixeira da cidade de Manaus. A pobreza humana residia naquele lugar, onde o homem se misturava com o lixo. Era o local das aves famintas, das mães amadas e das abandonadas, um espaço de alegria e de tristeza. Lá o homem pobre ia se adaptando ao ambiente, num pedaço de mundo que não impedia a sua plena reprodução.

 

Era o ano de 1970, e o menino com quatro anos, ainda não entendia o significado daquela realidade, os conflitos humanos e os mistérios da vida. Num mundo onde tantos lutam para saciar as necessidades básicas, outros buscam mais poder e riqueza, por meio de guerras e ódios. Hoje, adulto, sou fascinado ainda mais pelo eterno amor das mães pelos filhos, mesmo em situações adversas, elas resistem. Um carinho de mãe é o melhor remédio para suportar as tristezas do mundo. Por isso, minha mãe, nunca se esqueça nenhum segundo da minha gratidão e de “como é grande o meu amor por você”.  

O autor é sociólogo, analista político e advogado*

Sobe Catracas

ADRIANE GISELE SÁ, professora da rede municipal de Santarém (PA)

Vencedora do Prêmios 'Professores do Brasil' vai ao Canadá, representar o Pará em evento com demais ganhadores 

Desce Catracas

IVON RATES, prefeito de Envira/AM

Prefeito recebeu R$ 14 milhões do Estado para asfaltar ruas, não realizou obras e Justiça determinou pavimentação imediata