DeAmazônia

MENU
Atualizado em 11/04/2019

CARLOS COSTA # A vida pode ser comparada a uma vela acesa

CARLOS COSTA # A vida pode ser comparada a uma vela acesa Carlos Costa é jornalista

A vida pode ser comparada à uma vela acesa, que derrama rugas à medida que queima e produz dores. Já as sinto no corpo. A vela se apaga algumas vezes e pode ser ressuscitada até que se apaga de uma vez quando encontra a morte e tudo se apaga para renascer junto a DEUS, se cumprindo a ordem natural dela, a vida, e se cumprindo à vontade D'Ele!


Em 1997, durante um dos vários governos de Amazonino Mendes e quando minha Yara Queiroz se formou em Direito pela UFAM, Manaus vivia com um racionamento de energia iniciado com 2/4/6 horas sem energia e o mesmo tempo com energia nas casas. Isso ocorreu devido à seca dos Rios do Amazonas e o surgimento de praias em alguns municípios e   também atingiu o Lago da Hidroelétrica de Balbina, uma das poucas fontes de energia para a capital. Naquela época, Manaus ainda não possuía Região Metropolitana e nem recebia energia da Hidrelétrica da Itaipu Binacional Hoje Manaus conta com quase 3 milhões de habitantes.


Naquele ano também havia poucas Faculdades particulares formando bacharéis em Direito à rodo, falam em extinguir o "Exame de Ordem". O fim do Exame permitirá que os novos advogados, mesmo com baixa qualificação consigam registros na OAB.  O “Exame de Ordem”, hoje seleciona o bom dos piores, mas com o seu provável fim permitirá que "analfabetos" diplomados consigam se registrar apenas com diploma.

 

Uma vez registrados como advogados, permitirá a participação deles em concursos públicos e podem se tornar juízes, promotores e procuradores. Com isso, em algum momento da carreira o processo de concursos públicos aos aplicadores do Direito terá que se afunilar de novo, mais do que já está para algumas carreiras dos aplicadores do Direito! Nessa semana voltou a faltar energia em vários bairros de Manaus e enquanto observava uma vela que queimava, pensei na vida como se fosse uma vela acessa. 

 

Contudo, se DEUS me permitir vivar um pouco mais; viverei, mas já sentido no corpo as queimaduras da cera que produz a vela ao queimar e criando as rugas pela idade, Porém, sinto que a vela está queimando muito rápido demais e, talvez, não possa viver ativo e produtivo por muito tempo como gostaria! Aos 59 anos de vida, vela só apagou durante os dez dias em coma e permaneceu outros 45 sem memória até que reacendeu novamente e me permitiu escrever o romance de ficção "CAUSA MORTIS"(em PDF na editora virtual www.todasasletras.com) classificado em concurso nacional e publicado no blogjornalismocarloscosta e no perfil do Facebook.

 

Enquanto a vela continuar acessa, permanecerei lutando pela vida. Ela já me deu amores e dores...mas sinto no corpo a solidão da esposa Yara, que também não pode ser chamado de santo. A vela está se exaurindo aos poucos! 

 

Não me arrependo do que fiz por amor; mas do que deixei de fazer em nome do amor! Por amor, vale tudo, até viver as desilusões amorosas, durante a curta, média ou longa queima da vela, como que pretendo que seja a queima da minha! 

 

*O autor é Jornalista*

Tags:

Sobe Catracas

DURANGO DUARTE, publicitário

Empresário na área de Marketing e Comunicação, recebe título de Cidadão do Amazonas, na ALE/AM, por trabalho realizado no estado  

Desce Catracas

JADE ABREU, prefeita de Faro (PA)

Justiça Federal tornou a prefeita ré em ação que investiga esquema criminoso que desviou dinheiro da saúde, no Pará