DeAmazônia

MENU
Atualizado em 11/04/2019

Amazonas tem quase R$ 900 milhões em obras paralisadas, aponta TCE

Estão suspensas por entraves judiciais ou paralisadas um total de 80 obras no AM, segundo relatório

Amazonas tem quase R$ 900 milhões em obras paralisadas, aponta TCE Sede do TCE-AM. em Mnaaus. Foto: divulgação

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Diagnóstico realizado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) aponta que no Amazonas estão suspensas por entraves judiciais ou paralisadas um total de 80 obras, que totalizam um montante de R$ 836 milhões. Os números estão no relatório da Diretoria de Controle Externo de Obras Públicas (Dicop) entregue, na semana passada, à Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon), que fará a compilação nacional e os enviará, posteriormente, ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

 

O mapeamento, que busca soluções junto aos órgãos competentes para os possíveis desentraves, é fruto de uma ação nacional do Comitê Interinstitucional de Diagnóstico de Grandes Obras Suspensas e Paralisadas, coordenado pelo CNJ e a Atricon, com o apoio do Tribunal de Contas da União (TCU) e dos Tribunais de Contas. Um balanço preliminar do TCU, divulgado em 2018, apontou para a interrupção de 14,4 mil contratos em todo o país em um valor aproximado de R$ 144 bilhões.

 

O levantamento realizado considerou os projetos com valor mínimo de R$ 1,5 milhão, para obras públicas que foram interrompidas em decorrência de decisões judiciais, que tenham iniciado a partir de 2009 ou por ordem de paralisação.

 

Além de levantar os dados do Amazonas, o TCE-AM, segundo informou a conselheira-presidente, Yara Lins dos Santos, compilou os dados levantados pelos Tribunais de Contas de toda Região Norte e os encaminhou, em outro relatório, ao CNJ.

 

Quem respondeu 

Integrante do comitê interinstitucional, o engenheiro da Dicop, Ronaldo Lima, informou que foram consultados na coleta de dados 62 municípios e 14 órgãos do Estado e da Prefeitura de Manaus, entre eles a Secretaria Municipal de Infraestrutura de Manaus (Seminf), Superintendência de Habitação do Amazonas (Suhab) e a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra).

 

Segundo Ronaldo Lima, todos foram informados em fevereiro, via ofício assinado pela presidência do TCE, sobre o levantamento em andamento, mas apenas 17 municípios e 11 órgãos do Estado e de Manaus colaboraram com os números solicitados pelo CNJ dentro do prazo estabelecido. Para o engenheiro, “fica o alerta de que o número de obras e em recursos paralisados no Amazonas pode ser maior que o estimado no relatório, uma vez que 73% das prefeituras ainda não enviaram os dados ao Tribunal”.

 

As obras de maiores valores 

O relatório apontou, ainda, as dez obras paralisadas com maiores valores, todas no interior, que totalizam um montante R$ 363,5 milhões, algumas delas com mais de 50% do valor já pago.

 

Uma delas é a de infraestrutura viárias da estrada Codajás-Anori (extensão de 48,9 KM), no valor de R$ 69,2 milhões cujo montante quitado já passou de R$ 63 milhões. Outra é a da Cidade Universitária, em Iranduba, no valor de R$ 81,9 milhões, que foi paralisada por contingenciamento de recursos próprios. Dos R$ 81,9 milhões já foram pagos R$ 17 milhões.

Próximo passo 

Com o diagnóstico completo dos Estados e municípios, a proposta do CNJ é buscar soluções por consenso e priorizar o julgamento das ações em que a conciliação não teve sucesso.

 

A ideia, segundo o CNJ, é promover uma interlocução com representantes dos órgãos envolvidos, como os Tribunais de Justiça, Tribunais Regionais Federais, Ministério Público, procuradorias dos governos estaduais e das prefeituras e solucionar as pendências que mantêm os empreendimentos parados, destravando, assim, os considerados essenciais para a sociedade.

 

O levantamento feito pelo TCE aconteceu após uma reunião, realizada em outubro do ano passado, entre os presidentes dos Tribunais de Contas e o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Dias Toffoli, Ministros do TCU também participaram do encontro. Na ocasião, se criou o comitê e foi dado início ao trabalho.

Sobe Catracas

ENNIO CANDOTTI, diretor do Museu da Amazônia (Musa)

Professor receberá nesta quarta (21), na Aleam, o Título de Cidadão do Amazonas

Desce Catracas

RODRIGO TOBIAS, secretário de Saúde do AM

Serviço de aerotaxí com UTI móvel para transportar doentes do interior para Manaus não funciona, com implantação do sistema via internet