DeAmazônia

MENU
Atualizado em 12/03/2019

CARLOS SANTIAGO #Bolsonaro e os valores democráticos

CARLOS SANTIAGO #Bolsonaro e os valores democráticos Carlos Santiago.

Participação, participação política e democracia são palavras que fazem parte do cotidiano de milhões de brasileiros, com múltiplas definições e com registros marcantes em variadas ações coletivas, como nas eleições para conselhos tutelares, escolhas de direção de escola, reuniões de associações de moradores, eleições eleitorais e outras.

 

O ato de participar é inerente ao corpo social, às ações humanas e, é o meio mais eficaz de desenvolvimento civilizatório do homem ao longo da história, indica Bordenave (1995).

 

O jurista Dalmo Dallari (1999) na obra “O que é participação Política” defende a premissa do grego Aristóteles de que o homem é um ser político, pois sua natureza o impede de viver sozinho. Afirma ainda que não existe neutralidade na política e o fazer política com ética visa sempre o interesse da coletividade.

 

Para que haja participação política plena é necessário um Estado Democrático, com o governo do povo, ou de sua maioria, mas pode ser também, como ensina Alain Touraine (1994), um regime político que respeita as minorias étnicas e sociais.

 

No que tange aos valores democráticos, parece que, nos tempos atuais, existe mesmo um ódio à democracia, conforme assinalou o francês J. Ranciére (2014), no livro “O ódio à democracia”. Ele advoga que existe um ódio à democracia pelas elites que tomaram o poder político (Estado). Elas aliançaram-se aos detentores de riquezas (Poder Econômico) e fazem da política um grande negócio. É essa concentração de poder nas mãos das elites a fonte do ódio ao princípio da igualdade e de governo popular.

 

No Brasil, a Constituição Federal de 1988 consagrou no seu art. 1°, Parágrafo único, que “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente”. Trata-se de um modelo híbrido que é formado pela democracia direta (plebiscito, Referendo, Audiências Públicas, Consultas Públicas, Projeto de Iniciativa Popular e outros) e pela democracia representativa (escolha de representes do Poder Legislativo e de governos por meio do voto), o que torna o Brasil detentor de um modelo moderno de democracia, amparada pela consolidação de um Estado Democrático de Direito, em que as leis e os valores democráticos devem que ser respeitados e determinantes para as ações do Estado.

 

No cenário político atual do País, o presidente da República Jair Bolsonaro (PSL), na última quinta-feira (07), durante cerimônia de formatura de fuzileiros navais no Rio de Janeiro, afirmou que “democracia e liberdade, só existe quando a sua respectiva Forças Armadas assim o quer (sic)”, desprezando todos os valores de participação, de participação política e de democracia moderna, valores que foram conquistados pela humanidade nas suas ricas formas de manifestações e consagrados na nossa Constituição.

 

Por isso, precisamos defender e fortalecer a nossa democracia, porque os problemas da nossa democracia só se resolvem com mais democracia e com o cidadão participando ativamente da vida política do Brasil.


*O autor é sociólogo, snalista político e advogado.

Sobe Catracas

UÁLAME MACHADO, secretário de Segurança Pública do Pará

Polícia desvendou em cinco dias chacina ocorrida em Belém, no domingo (19), que resultou na morte de 11 pessoas

Desce Catracas

AFRÂNIO PEREIRA JUNIOR, major da PM aposentado

Secretário de Articulação Política do prefeito de Manacapuru, Beto D'Ângelo, agrediu com socos e chutes, moradores que protestavam por ruas esburacadas