DeAmazônia

MENU
Atualizado em 21/10/2017

CARLOS SANTIAGO #Reflexões sobre a pré-candidatura do prefeito de Manaus à presidência do Brasil

CARLOS SANTIAGO #Reflexões sobre a pré-candidatura do prefeito de Manaus à presidência do Brasil

Qual o modelo exitoso de gestão pública no Amazonas, implantado pelos administradores do Estado ou da Prefeitura de Manaus, capaz de contribuir com o desenvolvimento econômico, social e ético do Brasil? Eis uma pergunta que requer uma avalição profunda sobre os destinos do Amazonas e do País.

 

Por isso, não irei tratar a pré-candidatura do prefeito de Manaus à presidência da República com deboche, piada ou insanidade, como alguns blogs e jornais de repercussão nacional estão fazendo, porque, além de respeitar a sua idade, acho um momento oportuno para debater as contribuições dos administradores do Amazonas e de Manaus, inclusive, porque alguns chegaram a ser ministros de Estado.

 

Pois bem, nas últimas décadas, foram ministros de Estado e gestores no Amazonas: Artur Virgílio Neto, ex-ministro-chefe da Casa Civil da presidência da República, prefeito de Manaus por dois mandatos completos e mais um ano o atual, totalizando nove anos à frente dos destinos da capital; Alfredo Nascimento, ex-ministro dos transportes, vice-governador e prefeito de Manaus em duas gestões; Eduardo Braga comandou o ministério das Minas e Energias, exerceu por dois mandatos o cargo de governador e, por dois anos, o cargo de prefeito de Manaus.

 

Então, voltamos a perguntar: quais as grandes realizações desses homens públicos no plano local? Manaus possui um paradigma de transporte coletivo decente que possa ser oferecido ao Brasil? A nossa capital tem um padrão de saneamento básico adequado? Somos referência nacional nas áreas de educação, de segurança e de saúde? Qual o exemplo de desenvolvimento econômico, além da Zona Franca, que o Amazonas possui e que possa servir como modelo para o restante do Brasil? Qual o padrão de ética dos gestores locais que sirva como um norte para o restante do País?

 

E no plano nacional: quais foram as maravilhosas realizações do Artur Virgílio no ministério que ocupou? E do Alfredo Nascimento no ministério dos transportes? E do Eduardo Braga nas Minas e Energias? Certamente, as respostas desses questionamentos podem revelar as causas do atraso político, ético e econômico de Manaus, do Estado e do Brasil.

 

Não é à toa que a cidade de Manaus e o Estado do Amazonas possuem péssimos indicadores sociais, com gestores e ex-administradores citados em delações de esquemas de corrupção no Brasil, com famílias na máquina pública, além de não possuírem nenhum modelo econômico de desenvolvimento alternativo para a Zona Franca.

 

É um momento triste e sem muita referência ética.

 

*O autor é sociólogo, analista político e advogado.

Sobe Catracas

DORA TUPINAMBÁ, jornalista

É a primeira mulher eleita presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Amazonas e comandará entidade para triênio 2018/2020

Sobe Catracas

PINDUCA, cantor

Artista paraense recebeu da Assembleia Legislativa do AM o Título de Cidadão do Amazonas, autoria do do deputado Sinésio Campos, também nascido no Pará 

Desce Catracas

NORMANDO BESSA, prefeito de Tefé

Processo Seletivo com 800 vagas da Educação não oferece cargos a professores nas áreas de Artes/educação e Ensino Religioso, contrariando o artigo 26, da LDB, que pede obrigatoriedade. 

Desce Catracas

ANTONIO PEIXOTO, prefeito de Itacoatiara

Prefeitura está há um mês tentando asfaltar uma única rua da cidade, no centro comercial, e que gerou série de reclamação dos empresários locais

BASTIDORES