DeAmazônia

MENU
Atualizado em 13/07/2017

AUGUSTO BERNARDO CECÍLIO #Pinduca, a força de um Rei

AUGUSTO BERNARDO CECÍLIO  #Pinduca, a força de um Rei

Sábado de calor, de calor humano, de Lua Cheia iluminando Manaus, mas quem brilhou mesmo foi Pinduca, o Rei do Carimbó, que com seu talento e simpatia conquistou a todos que lotaram o Arraial Chefs de Ponta, gol de placa do Shopping Ponta Negra.

 

Por mais de duas horas de show essa lenda viva da música popular brasileira – que ficou famoso muito antes das novas tecnologias - desfilou talento  e imenso repertório. Mal entrou no palco já foi exaltando o Pará, do qual é o maior embaixador, e ganhou o público.

 

Foi generoso, ao se referir sempre às atrações musicais do Arraial, elogiando os colegas cantores, sem estrelismo e com muita simplicidade. Foi respeitoso com o público, deixando ser fotografado sem pressa. Com brincadeiras puras e sadias, distribuiu felicidade para um povo sofrido por tantas incertezas, pela falta de ética e moral,  e pela injustiça.

 

Foi extremamente profissional e disciplinado, não perdendo nenhum tempo entre as músicas. Queria cantar e agradar. E conseguiu. Era muita gente dançando e participando do show, centenas de fotos e filmagens. Pessoas demonstrando imenso contentamento.

 

Foi professor, ao nos ensinar com os seus atos e as letras de suas músicas o quanto é importante a pessoa valorizar e amar a sua terra. Verdadeira lição. E isso ele faz naturalmente. Invariavelmente, suas canções retratam as coisas simples, a cultura de sua terra, o interior do Pará, sua capital Belém, os usos e costumes dos nossos irmãos vizinhos, sempre se lembrando de cantar o amor, o tucupi, o tacacá, o açaí.

 

Como foi bom ver tantas crianças participando e conhecendo de perto o cara que ficou famoso pela perseverança em levar ao Brasil a sua arte e os seus ritmos. Que mesmo sem Internet e redes sociais investiu o seu talento e o sua energia em propagar a sua música. Um artista que não é produto da mídia, e que ocupa totalmente o palco com um show tão demorado e gostoso, dançando e cantando sempre com um sorriso no rosto, como um garoto de férias.

 

Fui pra assistir Pinduca. Fiquei vendo cada parte  da sua apresentação e fiquei encantado. Poucos artistas no mundo têm esse carisma. Ele é natural, simples, humilde, verdadeiro, exemplo.

 

Repito, poucos cantam tanto a sua terra, e isso pra mim não tem preço. Sua imagem com aquele chapelão enfeitado, camisa brilhosa ou florida, da calça e sapatos elegantemente brancos, é a marca registrada de um artista que ganhou o mundo e conquistou gerações.

 

Pinduca é um patrimônio de todos. Nascido em Igarapé Miri, ele transcende o Pará e o Brasil. Pertence à humanidade, e o Amazonas também requer esse espaço no coração do Rei. No show, exaltou o Amazonas e Manaus, sem esquecer-se de Parintins (brincando com os torcedores dos bois, dos times, sempre lembrando o Remo e o Paysandu), além de Maués, onde recebeu Título de Cidadão.

 

Pergunto-me por que passei tanto tempo sem assistir Pinduca. Se verei de novo? Com certeza! Vida longa e feliz ao Rei. Carimbó, Sirimbó, Siriá e a Lambada devem muito a ele, porque Carimbó, Sirimbó é gostoso/É  gostoso em Belém do Pará.

 

*Auditor fiscal da Sefaz. E-mail: augustosefaz@hotmail.com

Sobe Catracas

CARLOS ALBERTO MOTA, chefe de cozinha

Campeão do concurso Culinária Parintintin que representará o município na Feira Internacional da Gastronomia Amazônica no dia 24 de novembro, em Manaus. 

Sobe Catracas

EDMUNDO ORAN, apresentador do boi Caprichoso

Fez show que agradou público no Teatro Amazonas

Desce Catracas

DERMILSON CHAGAS, deputado estadual

Líder do governo na Assembleia Legislativa do AM não consegue agregar a base de Amazonino Mendes

Desce Catracas

TONY MEDEIROS, cantor de toadas

Está fora do Boi Manaus 2018 por avaliação negativa do público, segundo Manauscult

BASTIDORES